Quando você puxa as cobertas sobre a cabeça, outras estão prontas para passar a noite inteira. Milhões de americanos estão a caminho do trabalho (ou se preparam para passar a noite toda em casa) quando você se acomoda para dormir. Se você é uma coruja da noite, sua mentalidade pode ter se adaptado a esse estilo de vida diferente. Mas o lado negativo? Seu corpo ainda pode estar tomando uma surra.

COLUNA: Como a melatonina ajuda você
Trabalhar à noite por apenas um ano ou dois pode aumentar o risco de diabetes em 5%. Os turnos noturnos acumulados em 10 a 19 anos podem aumentar esse risco para 40%. E trabalhar por mais de 20 anos à noite leva a sua escala de risco para diabetes a impressionantes 60%, de acordo com análises recentes de dois Nurses 'Health Studies.
Um novo estudo da Neurobiology of Disease encontrou uma ligação entre relógios biológicos interrompidos em moscas da fruta e morte prematura. Embora a pesquisa incluísse apenas moscas da fruta, os dados ainda se aplicam às pessoas. Os ciclos de sono interrompidos suprimem a melatonina, fazendo com que o rótulo da Organização Mundial de Saúde mude o trabalho de “possível cancerígeno”.
Outro risco ocupacional de ficar acordado a noite toda? Alimentação não saudável, que (além da obesidade) pode levar ao diabetes (cerca de 17 anos), doenças cardíacas (tipicamente 25 anos depois), câncer (35 anos depois) e disfunção cerebral (após cerca de 40 anos). Não é tarde demais para reverter esses efeitos assustadores fazendo hoje à noite uma noite de madrugada. Se possível, você pode querer considerar fazer turnos diurnos, porque os trabalhadores noturnos caem em perigosamente maus hábitos alimentares. Por um lado, recebendo comida em movimento significa que você tem que planejar com antecedência para resistir fast-food frito e barras de chocolate que chamam de máquinas de venda automática em cada esquina. Para aqueles que se apaixona por esses criminosos, seu risco de peso e diabetes pode aumentar.
COLUNA: Como criminosos de comida afetam sua memória
Mesmo se você está comendo a mesma quantidade de calorias que seus amigos não-trabalhadores noturnos, as chances ainda podem estar contra você! O estudo da Feinberg School of Medicine da Universidade Northwestern descobriu que aqueles que atingiam o feno às 3h45 tinham mais fast food e refrigerante - com menos frutas, legumes e horas de sono - do que aqueles que foram para a cama às 12h30.
O tempo pode fazer a diferença: os que dormem mais tarde consomem mais comida no jantar e depois das 20h. Os pesquisadores encontram padrões confusos similares nos ratos. Os camundongos privados de sono ganharam 50% mais peso do que os camundongos bem descansados ​​- apesar de terem comido e exercitado a mesma quantidade! Os ritmos circadianos alterados podem perturbar o metabolismo, o apetite, os níveis de açúcar no sangue e a resistência à insulina, tornando mais difícil do que superar uma Ferrari (não tente) manter o peso com um ciclo de sono comprometido.
Felizmente, existem várias coisas que você poderia fazer, em conjunto com seu ambiente de trabalho. Prepare lanches saudáveis ​​para mantê-lo alerta e cheio de energia (temos uma ótima lista aqui!). Até mesmo a fabricação de máquinas de venda automática e lanchonetes transportam apenas alimentos saudáveis ​​(e de baixo preço) pode ajudar.
A Cleveland Clinic tomou essas medidas. Em 2007, a instituição do Dr. Mike esvaziou as máquinas de venda de lanches com altos níveis de sódio e qualquer gordura trans ou saturada. Mais tarde, eles removeram a maioria do resto dos criminosos de alimentos de suas instalações de jantar, como doces, batatas fritas, bolos, muffins, donuts e bebidas açucaradas. Enfermeiros, médicos e funcionários que precisam de um choque de energia podem transformar-se em energia nutritiva, em vez de obter um pico de açúcar rápido que só os faria colidir mais tarde.
A mensagem para os empregadores: Investir em opções de alimentos saudáveis ​​para sua equipe promove a produtividade agora - e vive mais tarde. E se você é uma coruja da noite por conta própria, faça o mesmo com sua geladeira!

Riscos Ambientais II - Agentes Químicos (Janeiro 2020).